Depois de muito tempo, ontem eu passei pela sua rua, e enquanto caminhava pela  calçada, eu vi um menino brincando. O tempo me levou de volta ao passado, ao ver que parecia ter seus sete anos de idade, e correndo para todos os lados, tentava empinar sua “pipa” que não queria subir.

Então me aproximei e perguntei:

Oi! Posso te ajudar? Com um olhar desconfiado, deixou a pipa no chão, e saiu correndo até o portão de uma casa amarela, enquanto uma voz vinda lá dos fundos da casa, pedia para o menino entrar e fechar o portão.

E eu, do outro lado da calçada continuei a caminhar. No dia seguinte retornei na sua rua. E lá estava o menino com sua pipa, só que estava triste, embora dessa vez tivesse vento, mas a sua pipa estava quebrada e não tinha como brincar.

Então me aproximei e perguntei:

Oi! Posso te ajudar? Com um olhar desconfiado, pegou a pipa e deu pra mim. Nossa! Meu coração pulou de alegria, pois queria muito ajudar aquele menino, não sei por que, mas logo arrumei cola, papel, varetas e fiz uma pipa nova para o garoto.

Porém, dessa vez não ouvi a voz que vinha da casa amarela chamar pelo menino. E o ventou fez a pipa subir, e com seus movimentos escreveu essas palavras:

Obrigada!

Cuide bem do nosso filho!

2 thoughts on “O menino da casa amarela

  1. Oi…Tudo bem?
    essa história é real? ou é apenas uma criação…algo imaginário.
    Parece tão real que arrepiei ao ler.
    Você é escritor?

    1. Olá João Carlos obrigado por acessar portal poético. Sim! a história é real, apenas acrescentei alguns detalhes para dar impacto. Não sou escritor, mas tenho amor e muita vontade de criar e compor, e com isso nasceu Portal poético.
      Abraços!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *